Partilhamos consigo um artigo de Manuel Paula, Diretor de Marketing do El Corte Inglês e Membro da Direção da APPM.

 

São 10 da noite e vou começar a ver mais um episódio de uma série que estou a seguir. Enquanto o episódio carrega na box, aproveito para dar uma espreitadela rápida ao telemóvel, para ver se há algo inadiável. Tenho 1 sms de um amigo a combinar local e hora para o almoço de amanhã. Vejo ainda algumas notificações com as notícias do dia e os resultados desportivos. Felizmente, nada que não tivesse ouvido na rádio a caminho de casa ou que não tivesse espreitado na televisão. Há ainda vários emails por abrir, mas suponho que nada de urgente e, se o for, alguém ligará ou enviará mensagem.

Ainda tenho também várias notificações no whatsapp. Numa delas um link para uma notícia, que me chama a atenção. Clico e dou por mim a percorrer o site; noutra, um link para um vídeo no youtube que pode ter interesse. Carrego no link mas ainda tenho um pre roll que, naquele momento, não me chama a atenção. Assim que posso faço skip e vejo que o vídeo tem mais de 2 minutos. Nem pensar, penso; fica para amanhã. Agora não tenho tempo.

Pouso o telemóvel para começar a ver o episódio; olho para o relógio e vejo que já passa das 10 e meia. 10 e meia? Já passou meia hora? Vou já começar o episódio, senão vou ter de o adiar outra vez.

Penso que a meia hora que acabei de descrever é comum a muitos de nós; eu diria que é mesmo um novo padrão: demasiadas solicitações, demasiadas situações com interesse e muito pouco tempo. Em resumo, vivemos sem tempo para nada e focamo-nos realmente em muito pouca coisa. E num mundo como este, que lugar para a publicidade?

Este é um dos maiores desafios que os marketeers têm de ultrapassar. Como prender a atenção de alguém que tem pouca ou nenhuma predisposição para nos ouvir? Até pode ter interesse no que lhe queremos contar, mas se o momento for errado, a mensagem não passa. Como construir e manter uma marca para esta nova realidade? Há que tentar ser relevante; há que ser capaz de dizer às pessoas o que elas querem ouvir, no momento certo.

É aqui que a tecnologia dá uma grande ajuda ao marketing. Graças à tecnologia e a novas ferramentas de marketing digital podemos conhecer muito melhor os consumidores, os seus hábitos, preferências e intenções. É possível personalizar o contacto com o consumidor, já que o conhecemos muito para além dos tradicionais segmentos sociodemográficos; seremos muito mais efectivos no contacto, comunicando menos mas com muito mais acerto. Também é agora possível prever o comportamento do consumidor usando informação como hábitos de pesquisa ou de navegação online. Com a tecnologia correcta, é assim possível antecipar o comportamento do consumidor.

Portanto, se as marcas querem chegar ao “consumidor distraído” têm de se apoiar em profissionais com competências tecnológicas bem desenvolvidas, ou que se saibam rodear de quem as tenha. Também pode ser de grande ajuda assistir ao próximo Congresso da APPM, cujo tema é “Marketing in Times of Distraction”. A não perder! Não se distraia!

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Contacte-nos

Enviando

© APPM – Todos os Direitos Reservados. Website pela MindSEO. Alojamento pela WebHS.

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account